Amor Bandido – Fodendo com o priminho

Somente aqui você encontra os melhores contos eróticos e esperamos que gostem muito desse.

Meu nome é Hiago, nasci em uma família
bem humilde na favela da Coca na cidade de
Diadema/SP, quando eu ainda era pequeno
meu pai saiu para comprar cigarros e nunca
mais voltou, a minha mãe me criou com
muito esforço sendo doméstica, nesse
jornada ela contou muito com a ajuda da
sua irmã Ivone, que morava bem próximo
de nós, minha tia sempre foi como minha
segunda mãe.

Tia Ivone tinha uma filho chamado Daniel, 4
anos mais velho do que eu, como passava
praticamente o dia todo em sua casa
esperando minha mãe voltar do serviço, eu
e Daniel fomos criados como irmãos, Dan
para mim sempre foi meu irmão mais velho,
sempre olhei Daniel como um referencial,
tinha uma grande admiração por ele.
Quando ainda pequenos, vivíamos brincando
na rua, e foi em uma dessas brincando de
esconde-esconde que aconteceu algo que
mudou o meu destino completamente.
Estava escondido no meio de uma
construção olhando para a viela esperando
a minha chance de bater, quando Daniel
chega por trás de mim e pude sentir seu pau
relar na minha bunda e sua enorme mão
sendo colocada sobre a minha boca e sua
outra mão sendo colocada sobre sua boca
fazendo um gesto para que eu ficasse em
silêncio. Fiquei paralisado enquanto um
arrepio percorria o meu corpo. Não sabia
bem o que estava acontecendo, nunca havia
me sentido daquele jeito antes. Eu paralisei.
Eu estava muito nervoso e comecei a sentir
o pintinho do Dan começar a endurecer atrás
de mim.

Tentei me espremer o máximo possível pra

frente, junto à parede, mas Dan safado como
já era, começou tirar proveito da situação e
também se aproximava mais de mim. Sendo
assim senti o encaixe da minha bunda
exatamente no seu pau, que agora já estava
ficando duro.

Eu sentia sua respiração em meu cangote,

o safado pegava na minha cintura e sarrava
minha bunda na sua rola. Como eu fiquei
imóvel, sem saber o que fazer, ele me
puxou contra ele através da cintura, fazendo
encaixar perfeitamente a minha bunda
contra sua barraca armada, o que arrancou
um suspiro profundo de satisfação dele, que
passou a me sarrar de forma mais intensa e
compassada, era a primeira vez que sentia
um pau duro, e ainda estava sarrando minha
bunda, logo fomos interrompidos com

um barulho de um amigo que nos achou.
Na adrenalina da brincadeira meu primo
apenas correu para bater.

Mas conforme fomos crescemos, Daniel
acabou se afastando aos poucos, por

conta da suas novas amizades. Eu sempre
fui o filho obediente e estudioso, já o Dan
desde pequeno era meio rebelde, e sempre
seus pais comparavam muito Dan comigo,
causando um desconforto para ambos.
Meu primo acabou se tornando na escola

o machão da turma no ensino médio. Vivia
em má companhia, fazia parte dos garotos
do fundo da classe. Estava se tornado um
grande problema para os seus pais, meus
tios já não reconheciam mais o seu filho.
Dan mudando muito, as vezes se desfazia
de mim na frente dos novos amigos, mas
mesmo assim eu não conseguia perder o
encanto e admiração por ele, afinal ele era

meu primo mais velho, que sempre me
protegeu e esteve ao meu lado como um
grande irmão.

Dan sabendo disso se aproveitava de mim,
me colocando em situação complicadas,
ele sempre me usava para mentir para os
seus pais, falando que estava comigo, por
diversas vezes, acobertei os seus deslizes
na frente dos meus tios, para não criar

um desgaste ainda maior naquela família,
e também por ser muito ingênuo não
conseguia dizer não para o meu primo.
Quando Dan estava terminando a escola
infelizmente acabou perdendo seu pai por
conta de uma bala perdida, isso revoltou
muito ele, e assim ele definitivamente foi
andar com pessoas de más influências,
seu comportamento só piorou, já não
reconhecia mais ele, isso fez com que nos
afastássemos ainda mais.

Dan já com 21 anos era um moreno claro,
com corpo magro, mas em forma, com

os músculos do peitoral e abdômen bem
definidos, brinco na orelha, uma tatuagem
no pescoço, boné aba reta, o tipo estilo
maloqueiro mesmo, bermuda cyclone, com
aquele linguajar cheio de gíria de rua, tipo
mano, jaé, koé, tá ligado, é nós, se liga, pega
visão, os mano, vou

passar o cerou, dá um teco etc.

Já eu era o bom filho, estava no final de
2012 cursando de manhã o último ano do
ensino médio e a tarde fazia meu cursinho
que havia conquistado com muito custo
uma bolsa, chegava em casa já a noite, até
que um dia voltando para casa por volta
das 19h, fui abordado por Dan correndo
na viela com um revólver na mão, pedindo

para que eu o escondesse pois estava
fugindo da polícia, naquele dia em especial
minha mãe não estava em casa, pois
estava dormindo na casa dos seus patrões,
nessa hora ouvimos a sirene da polícia, e
os policiais começando a invadir a favela,
ele ficou transtornado de medo de ser
pego,ele não estava normal, provavelmente
havia feito uso de alguma substância ilícita,
assim começou a gritar para abrir logo a
porra da porta, ao entramos deixamos tudo
apagado e fomos em direção ao banheiro,
ele percebeu que estava tremendo de
medo da polícia invadir e achar que eu
tinha algum envolvimento, então ele veio
para trás de mim e colocou sua mão na
minha boca para tentar simular que eu era
o seu refém, nisso ele encostou em mim de
forma brusca encaixando seu pau na minha
bunda, me encoxando, o medo foi passando
e me lembrei daquele dia brincando de
esconde enconde aonde ele também me
encoxou, mas agora eu sabia o que estava
acontecendo ali e comecei a sentir um fogo
subindo dentro de mim, conforme aquele
volume dando sinal de vida. Daí fiz de
conta que não tinha sentido nada e ele foi
forçando meu rabo contra ele, até que ele
disse no meu ouvido :

-Fica quetinho Hiago! Agora o primão

vai brincar com você e ninguém vai ficar
sabendo ok? nada de contar para ninguém
da família.

Colocando aquela arma na minha cabeça,
eu apenas consenti com a cabeça,
respondendo. Rapidamente ele me vira
contra ele e me fala:

– vc me da um muito tesão, sente só primo…
Continua!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *