“QUINTOU” NO BECO DA LAMA

Hentai Gay

Fala Fotos de Pênis, Blz?

Se liga, te falar um rolé que aconteceu no
beco da lama, na última quinta. Inclusive, eu te
vi lá e não falei por vergonha. Kkk

Meu nome é “Anderson” e tenho 19 anos. Sou
pretinho com indígena. Tenho 1,78, malho
tem 1 ano… Não para crescer, só pra manter

o presente que Deus me deu e a boa saúde.
Se liga… Eu estava com uns amigos lá no beco,
curti e até então nem estava dando bola para os
cara que chegava me pedindo beijo. Depois de
F7 e tomar umas brejas, comecei a perceber
que o carinha que estava fazendo o corre de
maconha, ele estava me olhando e dava uns
sorrisos. Cara, eu já estava mais pra lá do que
pra cá e decidi retribuir. O galado lá até que é
bonito. O tempo foi passando e eu até esqueci
dele…

Um tempo depois me afastei dos poucos
amigos que ficaram comigo no beco e fui
fazer xixi. Quando já estava acabando, sinto
um cara magrinho chegar do meu lado, sem
cerimônia abriu a bermuda de surfista e
colocou o pau pra fora. Eu evitei olhar para

o pau dele, mas levantei a cabeça para ver
quem era que estava ali do meu lado. Eis que
era o carinha que está a vendendo a “maronha
e estava trocando uns sorrisos comigo. Eu nunca
fiz coisa assim na rua, ainda mais em um
lugar tão cheio, sendo assim balancei meu
pau, guardei, olhei pra ele e disse:

— Eita, é tu é? Vou esperar ali na esquina pra
gente voltar junto.

– Quer esperar aqui não, parceiro?

– Não, pô. Espero ali na esquina.

Me afastei, percebi que ele queria uma putaria
ali mesmo, mas o canto do mijo era muito
visível para o pessoal que tava no beco e
também para quem passava. Muita gente vai
ali.

Fiquei lá na esquina, ele não demorou e já
chegou falando:

— Boy, meter a real, tu curte um rolé com
outros cara que eu já tô ligado. Rola uma
punhetinha no meu pau? Te dou 19 da massa.

Ele nem precisava me dar nada, eu já queria,
porém, como ele tava me oferecendo, eu
aceitei.

Fui até os meus amigos, deixei meu celular

e pertences, porque não sou besta, e fui com
o carinha até uma praça que tem ali perto do
beco. Ali na rua por trás do novo Cine França.

A gente foi ali na rua que dá para a
Pinacoteca, que tem os fundos do Instituto
Histórico e Geográfico, ele me puxou para um
cantinho e começou a pegar no pau por cima
da roupa. Eu estava tão empolgado e a rua era
tão escura, que eu nem tava mais com tanto
medo de alguém ver. Se bem que o problema
de hoje em dia, não é nem alguém ver, mas
sim alguém gravar kkkkk. Bom… Rapidinho o
pau dele se mostrou bem grosso.
Eu comecei a passar a mão no meu, também
por cima da minha calça, mas ele pegou
minha mão e levou até o seu volume grosso.
Ele ficava me encarando, enquanto eu
apertava e passava a mão no seu volumão.

= Mano, eu não beijo cara não, mas tu é mó
presença, se quiser beijar pra aliviar mais a
tensão…

— Eu também não costumo fazer isso na rua,
por isso estou meio assim, pô.

— Ah beleza, vem cá então…

Ele se aproximou, começou a me beijar e
me abraçar. Ele aparentava ter menos de 18,
talvez 17, mas sabe que aqui em Natal tem
muita gente com cara de 16 e já com 30
anos. Quase como você, que inclusive fiquei
interessado, viu Eros? & Enfim, continuando
kkkk…

Acho que o boy tinha uns 18 anos, 1,70 de
altura, vestia uma camisa regata do camarote
do Carnatal, bermuda de surfista preta,

cueca branca, cordão de prata no pescoço,
uns 3 piercing na orelha esquerda e cabelo
cortadinho com um topete, luzes loiras.

Continuamos nos beijando e sarrando por
uns minutos, meu pau tava durão por cima do
dele, ele ofegante e mordendo a minha boca.

— Deixa marca não, pô…
— Relaxe playba.

Confesso que quando ele me chamou de
playba, eu fiquei mais atento mesmo que
meus pertences estivesse com o meu amigo

Confesso que quando ele me chamou de
playba, eu fiquei mais atento mesmo que
meus pertences estivesse com o meu amigo
lá no beco. Ok? Ok! Ele começou a abrir o
velcro da bermuda, botão, cordão e eu que
não sou besta, já levei minha mão para dentro
da cueca dele. Mano… O pau era grosso, não
muito longo, babão e para a minha surpresa:
cabecinha rosa, troco moreninho claro na
base e escurecia conforme chegava perto da
cabeça. Pelinhos bem aparadinhos como um
gramado de campo de futebol. Caralho

Continua…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *